image

O MNCh se estabelece como uma instância, a MELHOR, para uma real e definitiva restauração dos valores, um ressurgimento da Chilenidade (N.Ed.: em todos os casos, substitua-se este termo por sentimento de nacionalidade), chegando por um caminho natural e lógico ao BEM COMUM. 
A NATUREZA É A GUIA PRIMIGÊNIA E COLUNA VERTEBRAL DO NACIONAL SOCIALISMO A Natureza não cria nem criou jamais dois seres ou indivíduos iguais, senão que em cada um aplica distintas proporções dos mesmos componentes e características, estabelecendo deste modo hierarquias e marcando cada indivíduo em seu próprio nível. 
O direito de propriedade forma parte da Natureza e como tal o NACIONAL SOCIALISMO o respeita. Tão só lhe põe limites quando a propriedade individual vá em detrimento dos demais indivíduos, ou seja, quando atenta contra o BEM COMUM. 
Por fim, na Economia NACIONAL SOCIALISTAse aceita a empresa privada, com a ressalva de que os postos dirigentes devem ser ganhos por capacidade pessoal e não por riqueza, sobrenome ou influência, máxime se de preferência os donos das empresas sejam seus próprios trabalhadores. O Estado é dono dos serviços públicos, empresas estratégicas e aquelas que, por seu tamanho, não convém à sociedade que estejam em mãos particulares. 

Em lugar do “padrão ouro” aceito internacionalmente, ainda que imposto pelos judeus, usa-se o “PADRÃO TRABALHO” e não existe o interesse sobre o capital, posto que o dinheiro é só um meio de troca e não uma mercadoria. Única e exclusivamente o TRABALHO, seja manual ou intelectual, pode gerar riquezas.
 Não cremos, nem aceitamos o sistema partidocrático mal chamado “democracia”. À cabeça do Estado deve haver um só LÍDER, o que conseguirá essa posição impondo-se pelo seu valor pessoal, seu dom de comando, capacidade intelectual e qualidades morais. Assessora-lhe um Conselho e baixo este estão os Ministros, seguidos por um Senado técnico profissional e uma Câmara Corporativa. Nesta não têm lugar os politiqueiros profissionais, pois é integrada por dois representantes de cada Grêmio, ou seja, de cada atividade específica da indústria, agricultura, comércio, profissões e ofícios. Estes representantes não vão cumprir ordens de partido, senão defender os interesses e estabelecer os problemas de seus colegas, ou seja, os mesmos que eles vivem na própria carne.  

Na Educação ter-se-á que formar mentes sãs em corpos sãos e bem nutridos, evitando entupir ditas mentes com conhecimentos enciclopédicos inúteis e desenvolvendo em seu lugar o caráter e a vontade, aptidões físicas e morais para um melhoramento da raça e todo este processo em estreito contato com a Natureza. Na Educação Superior não haverá travas para os realmente capazes e dotados, cerrando-se as portas aos que, tendo dinheiro, influências ou sobrenomes, não estejam realmente capacitados. Uma juventude sã, respeitosa, bem educada e desportista não cai no delito, nem na droga. Na Justiça criar-se-ão códigos de aplicação rápida e simples, que castiguem efetivamente a todo culpado, sem lugar para resquícios legais, argúcias de advogados, pressões políticas ou falhas do sistema que atualmente o tornam inoperante e injusto. Os delinqüentes deixarão de ludibriar a comunidade que os mantêm. 

Na Agricultura sustentamos que a terra adquirida e defendida pela Nação deve estar só em mãos de Chilenos (N.Ed.: onde se lê “chilenos”, no nosso caso, leia-se conterrâneos ou patrícios), os que terão a obrigação de cultivá-la em forma ótima e com vistas a servir ao interesse Nacional. A propriedade agrícola será passível de herança, evitando a subdivisão, e o Estado promoverá a colonização das zonas não exploradas. Eliminar-se-ão as hipotecas sobre terras. 

Na Política interior dar-se-á preferência absoluta ao Chileno sobre qualquer estrangeiro e este último será tolerado como hóspede enquanto sua presença seja uma contribuição positiva para nossa comunidade, sendo expulso tão pronto transgrida alguma lei ou atente de qualquer maneira contra o Bem Comum.  

Na Política exterior defender-se-ão os interesses Chilenos em forma enérgica e inapelável, frente a todo inimigo aberto ou encoberto, especialmente contra as maquinações judeu-sionistas, tanto através do capitalismo ianque como do marxismo apátrida, os dois braços com que estrangulam a Humanidade. 

Os pontos precedentes resumem em forma sumária a Política Nacional-Socialista, na concepção própria do MNCh. Não pretendemos aqui esgotar o tema e tocamos só tangencialmente a Doutrina e Filosofia NACIONAL SOCIALISTA, já que nosso interesse é dar uma visão global de Nossa Solução àqueles que desejem abraçar nossa CAUSA e lhes sirva de ponto de partida para iniciar um estudo sério e profundo de nossa COSMOVISÃO.

 O Liberalismo democrático e o Marxismo-Leninismo hoje não podem seguir escondendo seu rotundo FRACASSO, enquanto os Princípios do NACIONAL SOCIALISMO já provaram sua eficácia. O TERCEIRO REICH na ALEMANHA os aplicou e, resgatando a sua Pátria do mais profundo dos abismos, a colocou por sobre todas as demais nações. Sua derrota militar em 1945 não prova em modo algum um pretendido fracasso, senão que é uma mostra dos extremos a que pode chegar o Sionismo judeu em seu afã de escravizar a toda Humanidade, segundo os “PROTOCOLOS DOS SÁBIOS DO SIÃO”.